Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Histórias Naturais

por arcadajade, em 18.04.04

japon1850.jpg 


gravura japonesa, 1850


O Gato


 


O meu não come ratos, não gosta. Se apanha algum, é para brincar com ele. Quando brincou tudo, poupa-lhe a vida, e vai sonhar noutra parte, o inocente, sentado no caracol do seu rabo, a cabeça fechada como um punho. Mas, por causa das garras, o rato morreu.


 


Jules Renard, tradução de Jorge de Sena em Poesia do Século XX, Ed. Asa, 3ª ed, Porto, 2003


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

00:00


comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.